Você conhece aquilo que você vende?

Categoria: Comportamento Web, Web.

Atualmente a profissão do futuro é criar uma agência web, tá não é a profissão do futuro e sim o próprio futuro, criar uma empresa de web seria a coisa mais logica a se fazer pra quem quer investir em um negocio próprio. Certo?

Bom às coisas não são bem assim.  Pois, saber administrar não quer dizer que você entende de web, design, mídias ou a necessidade real do seu negócio.  Tá quem sou eu pra ensinar como funciona uma empresa, mas posso apontar alguns defeitos que prejudicam o avanço de uma empresa.

“A preciso de um funcionário que faça layout, programe, cuide do SEO (otimização para mecanismos de pesquisa) e das Redes Sociais, faça animações de sites e aproveitando prepare a massa, recheie o pastel, frite e cobre do cliente no menor valor possível. Mas lembrando tudo isso para amanhã, pois tem vários trabalhos a fazer e o cliente tem pressa, mas não posso te pagar mais que um estagiário, pois a empresa está com o caixa baixo.”

Pode parecer engraçado, mas muitas das vagas de emprego do mercado são assim. Bons profissionais fogem deste tipo de vaga, profissionais no começo de carreira embarcam nessas vagas para entrar no mercado e acabam caindo em armadilhas, e ai só restam os profissionais medíocres que pouco ligam para o emprego, só ligam para o dinheiro e prejudicam a empresa.

Ai quem administra a empresa se sente obrigado a contratar um funcionário temporário (PJ ou Freelancer) e cai muitas vezes no mesmo tipo de ciclo que caiu quando contratou um determinado tipo de funcionário. E com isso começa um entra e sai frenético de funcionários que parece que não tem fim.

Coloca-se muito a culpa no gerente de projetos e no diretor de arte (quando uma empresa tem este tipo de profissional), mas na parte financeira não são eles que dão a palavra final e com isso se perde um bom funcionário.

“Então o que fazer para conseguir bons funcionários que tragam lucro e produtividade para minha empresa?”

Aqui vou apontar alguns pontos falhos que podem ser encontrados em várias empresas e que podem ser corrigidos com seu entendimento.

  1. Cada funcionário deve fazer apenas o seu papel e não acumular funções: é normal o funcionário acabar “quebrando um galho” dentro da empresa, fazendo um tipo de serviço que não é da sua área, o problema está em isso virar rotina. Um Design não programa ou cria Css, um Front-End (responsável por coletar a entrada em várias formas do usuário e processá-la para adequá-la a uma especificação útil) não cria layout e também não faz o serviço do Back-end (é toda a aplicação escondida por trás do trabalho do Front-End).  Ou seja, cada profissional tem seu papel no mercado, respeite e procure contrata-los de acordo com a necessidade.
  2. Pagar o justo nunca é jogar dinheiro fora: funcionário valorizado e bem pago produz mais, mas ai vem à pergunta como vou saber o quanto é o justo a pagar a cada funcionário? Pra isso existem níveis de profissionais dentro de cada área. Estagiário é aquele que ainda estuda e quer ingressar no mercado de trabalho, Junior é aquele recém-formado, sem muitas capacitações e poucas experiências. Pleno tem uma capacidade maior de gerenciamento e já pode tomar algumas decisões dentro de um projeto. Já o Sênior tem no mínimo uma pós-graduação ou já possui grande bagagem no mercado de trabalho, já exerce um cargo de liderança e tem experiência com liderança.
  3. Quem administra não sabe de tudo: como já foi dito cada profissional tem seu papel dentro da empresa, mas quem administra geralmente está numa posição hierárquica maior que seus subordinados, só que não é por isso que entende de tudo. Quem gerencia projetos sabe tudo que acontece dentro do setor de TI(datas, prazos, funções de funcionários, etc.) o mesmo serve para o Diretor de Criação, Atendimento, Mídia, Marketing, entre outros departamentos. Não que sua opinião não seja importante para cada setor ao contrario ela é, só que não é por causa disso que ele deve passar por cima do trabalho de seus subordinados.
  4.  Cargo não é só merecimento, é conhecimento também: geralmente na empresa vemos pessoas sem preparos assumindo cargos que não sabem o que é ou não são da sua área. Vagas importantes como gerente de projetos e diretor de arte, não são vagas de merecimentos por bons serviços, ou para pessoas que acham interessantes, ou para pessoas que são amigas e precisam de uma “forcinha na vida”. São atitudes que geralmente vemos em lojas de varejo, mas estas vagas sim são para profissionais que entende e se capacitaram para trabalhar com esses processos.

Para você que administra empresa, talvez tudo que eu disse parece que isso é um mundo bem distante da realidade da sua empresa de Web (pequena, média ou grande). Mas entenda que está é a infeliz realidade que vive sua empresa e funcionários e que pode ser mudada sempre que houver trabalho duro e vontade de mudar.


Tags: , , , , , , , , , ,



8 Respostas de “Você conhece aquilo que você vende?”

  1. Samira Bittar Disse:

    Me inspirei na Juliana, Patricia e no Maurivan espero que vocês gostem, mas se não gostarem podem criticar também


  2. Maurivan Luiz Padilha Disse:

    O inicio do post me lembrou um pouco uma conversa que tive com o pessoal da Arteccom para a revista Webdesign a um tempo atrás … http://www.flickr.com/photos/maurivan/3540583571/in/photostream


  3. Maurivan Luiz Padilha Disse:

    Curti seu post, meus parabéns 😉


  4. Samira Bittar Disse:

    Tomei como base seu desabafo constante sobre a área de front-end que por si


  5. Patricia Borbolla Baroni Disse:

    Ficou bem bacana!! Pode mandar pra uma galera que deveria ler esse tipo de texto? :)


  6. Samira Bittar Disse:

    Mando com prazer e se quiser divulgar ou mostrar de forma não delicada para algumas pessoas também pode, rsrs


  7. Diogo Prieto Hora Disse:

    mto bom o pot sá… gostei do quarto ítem…kkkkkkkkkkkkkk


  8. Virginia Bittar Disse:

    Virginia Bittar liked this on Facebook.



Resposta